segunda-feira, 25 de agosto de 2014

JOCA MARTINS - A Guerra Que Não Perdemos


Foto: Petter Campagna
Joca Martins lança música em homenagem ao mês Farroupilha:  "A Guerra que não Perdemos"

Às vésperas da maior festa gaúcha – a Semana Farroupilha, o cantor Joca Martins lança a música “A Guerra que não Perdemos”.  A canção é uma parceria do cantor com o irmão Negrinho Martins em letra de Rodrigo Bauer, de São Borja (RS).

“A guerra que não perdemos” fala da construção da identidade gaúcha e do jeito que o povo Rio-grandense vive e enaltece o seu chão.

Para a gravação, o cantor Joca Martins escolheu um estúdio repleto de história e de tradição gaúcha. Na chácara do gaiteiro Gildinho, líder do conjunto Os Monarcas, em Erechim (RS), o cantor encontrou um belo estúdio e a típica hospitalidade do povo gaúcho.

“A hospitalidade gaúcha está estampada no mestre Gildinho. E foi em um clima de muita amizade e de boas vindas que captamos, no estúdio d´Os Monarcas, "A Guerra que não Perdemos”, explica Joca Martins.


A música pode ser conferida nas rádios também pela internet, no canal de Joca Martins, no YouTube (http://www.youtube.com/jocamartinsoficial).

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

CANTO MISSIONEIRO LANÇA CD E DVD DA 7ª EDIÇÃO


Baita notícia nos chega da Capital Missioneira, Santo Ângelo.  
Serão lançados, no dia 12 de setembro, as oito da noite,  o CD e o DVD oficiais do 7º Canto Missioneiro da Música Nativa, realizado no final do mês de março passado.
Mais uma vez o local será a praça Pinheiro Machado, situada em frente a Catedral Angelopolitana, um dos mais belos cenários do Rio Grande do Sul.
Além de algumas das músicas que compõe o CD e o DVD, o público poderá apreciar o espetáculo dos cantores
Ângelo Franco e Érlon Péricles.
Vou fazer força para comparecer, afinal sou o produtor executivo do festival desde a sua primeira edição, realizada em março de 2008.



MARTIN CESAR LANÇA LIVRO E CD NA CAPITAL


Reproduzo o convite que recebi do amigo Martin César Gonçalves, um dos mais inspirados poetas e compositores da atualidade, para a sessão de autógrafos de seu livro intitulado "Sobre Amores e Outras Utopias", que acontece no dia 12 de setembro, as 20h, na Livraria Cultura. No mesmo evento será lançado o CD "Paisagem Interior" cujo repertório traz letras de Martin Cesar musicadas por Paulo Tim e Alessandro Gonçalves, com magistrais interpretações do cantor Marco Aurélio Vasconcellos.

São duas obras de grande valor poético e musical que não podem faltar no acervo dos admiradores da arte regional.

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

116 ANOS DE AURELIANO

Aureliano de Figueiredo Pinto
Neste dia 1º de agosto, quero lembrar do 116º aniversário de um dos mais brilhantes poetas do Rio Grande do Sul: Aureliano de Figueiredo Pinto.
Médico, escritor e poeta, ele nasceu em 1º de agosto de 1898, na fazenda São Domingos, interior do município de Tupanciretã.
Por volta de 1920, passou a residir em Porto Alegre, onde faz vestibular para Direito, curso trocando logo depois pela Medicina. Os poemas escritos em meio às anotações escolares seriam publicados no jornal Correio do Povo.  Entre as anotações de aula, Aureliano escreveu os poemas “Gaudério”  e  “Toada de Ronda” que marcariam sua vinculação com o nativismo.  O poema “Toada de Ronda”, inclusive, é considerado o marco inicial da poesia nativista no Rio Grande do Sul. 
O curso de medicina foi concluído somente em 1931, e logo em seguida Aureliano instala seu consultório em Santiago. Abre o coração aos campos e aos tipos humanos que o povoam. 
Passa a fazer viagens ao interior do município, para atendimentos médicos e, nos períodos vagos, ocupava o tempo tomando mate e ouvindo causos com os peões.
Em 1956 começa a reunir seus poemas, espalhados entre amigos, para publicá-los em livros. Mais tarde, edita e manda imprimir na Editora do Globo, 
dez exemplares de seu primeiro livro “Romances de Estância  e Querência – Marcas do Tempo”. 
Aureliano vem a falecer em 22 de fevereiro de 1959 vitima de um câncer. 
Em 1963, é publicado pela Livraria Sulina, seu segundo livro de poesias Romances de Estância e Querência – Armorial de Estância e Outros Poemas. Em 1974, é publicada pela Editora Movimento, a novela Memórias do Coronel Falcão.

Aureliano de Figueiredo Pinto é, indiscutivelmente, um dos maiores poetas nativista de nossa terra, de todos os tempos. 
Dentre as suas diversas criações brilhantes eu destaco os poemas Tobiano Capincho, Chimarrão da Madrugada e Oração de Posteiro, além de recomendar a leitura do romance "Memórias do Coronel Falcão", baita livro!